domingo, 11 de dezembro de 2011

BAZAR DA ESPERANÇA... (PARTICIPEM !)


PARTICIPEM !

O câncer infantil representa a segunda maior causa de mortes entre crianças e adolescentes no Brasil, ficando atrás apenas das causas relacionadas à violência e aos acidentes, segundo informações do Instituto Nacional do Câncer (Inca). No Brasil, cerca de 9 mil novos casos de câncer infanto-juvenil surgem por ano, de acordo com o Inca. Mas, segundo a instituição, em torno de 70% das crianças acometidas de câncer podem ser curadas, se diagnosticadas e tratadas precocemente.

Visando a arrecadação de fundos para ajudar instituições que fazem tratamento da doença em Salvador, o Núcleo de Oncologia da Bahia realiza, nesta segunda-feira, 12, o décimo Bazar da Esperança, que acontece no salão de eventos do Yacht Clube da Bahia, na Barra, das 14 às 20 horas. O evento é aberto ao público.
Parte da renda arrecadada no bazar será destinada à ajudar o Nacci (Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil) e a Casa de Saúde Erik Loeff. As instituições são dedicadas ao tratamento do câncer infantil.

Serão comercializados produtos artesanais, como bijuterias, bolsas e objetos de decoração, confeccionados por pacientes do Grupo Bem Viver, formado por pacientes e familiares. Também serão  vendidos livros e comidas.

Programação - Artistas convidados, entre eles o pintor Leonel Mattos, também participarão do evento. Mattos colocará suas obras, como quadros e esculturas, à venda. Produtos doados por colaboradores do Grupo Bem Viver, como roupas, livros e calçados, também estarão à venda no bazar. Haverá ainda o lançamento do livro Bahia de Todos-os-Saveiros, do fotógrafo Nilton Souza.  Parte da renda obtida na venda deste livro será doada à causa.

Esta é a primeira edição do bazar que acontece fora da sede do Núcleo de Oncologia da Bahia, em Ondina. Segundo a coordenadora do evento, Marian Urban, o bazar é uma forma de mostrar que a sociedade não está estática diante do câncer. “É uma iniciativa de sensibilização. As crianças precisam deste apoio, pois, em sua maioria, suas famílias não têm condições de ajudá-las”, diz. 

EM FORTALEZA É BOM...



Leitores, ao contrário do que já passei em Salvador, usando o nosso sistema de transporte, pegar o buzão em Fortaleza é outro nível. Não que seja uma maravilha, mas, está longe do sofrimento soteropolitano. Aqui na Capital Cearense o sistema é muito bom realmente. Temos várias estações de transbordo – eles chamam de integração e talvez esse seja o termo certo, afinal, passando por todos esses terminais vc pode atravessar a cidade pagando apenas duas passagens: R$ 4,00. Além do preço da tarifa ser mais de 20% mais barata do que a de Salvador, a frota de ônibus é de nos dar inveja: ainda não sei o que é andar de ônibus velho aqui, olha que pego 4 todos os dias pra ir e vir do trabalho. Todos os veículos equipados com sistema de tvbus e som, divertindo os passageiros durante a viagem. Como se não bastasse, a prefeitura criou a tarifa social: aos domingos pagamos apenas R$ 1,40, bacana né ?! Espero que Fortaleza sirva de modelo, e, que o nosso prefeito dê um jeito na cidade da Bahia.

PAPO DE ARQUIBANCADA...



Meus amigos, finalmente o ano acabou e com ele o sofrimento do torcedor baiano. O do Vitória viu seu time nadar, nadar e morrer na praia. Ao do Bahia sobrou-lhe a empáfia de comemorar que é primeira divisão. É muito triste acompanhar o decadente futebol baiano. O tricolor, bi campeão nacional (duas estrelas, como seus torcedores dizem), após 8 anos na série B – até pela C navegou a nau desgovernada do Baêêêa minha porra – tem 10 anos que não conquista o campeonato baiano. O Vitória, outrora Vice-tória – codinome patenteado pela torcida do maior rival – conseguiu ser vice do Baianão (quem dera fosse da série B) e na hora que mais precisava ser vice, ficou em quinto e nada mais. É deprimente, como diz “Bigode”, ver os times baianos jogando. Por hora lamento pelos torcedores que sempre prestigiaram os nossos representantes, e, renovo as esperanças de que em 2012 o nosso futebol possa melhorar. Vou torcendo de longe, certo de que irei ao PV assistir Ceará x Vitória, já que o Mengão não vai passar por aqui ano que vem !

Saudações Rubro-negras aos meus amigos Jorge Cunha, Moisa (ferramenta), meu tio Júlio César, meu irmão Gustavo, a Bigode e ao meu sobrinho Lucas, tricolores de fé.

BAIANO NO CEARÁ - PARTE I


Meus amigos, saí de minha casa aqui na Praia do Futuro, em direção ao Centro. Fui até o ponto de ônibus (buzu) e aguardei pacientemente o Caça e Pesca x Centro. Não demorou cinco minutos e veio ele (um buzu). Estiquei o braço, como fazemos ai na Bahia, o motorista parou, eu paguei a passagem, registrei e sentei na poltrona no meio do ônibus. Fui vendo toda a paisagem – aliás muito bela – da orla, até chegar ao Centro de Fortaleza. Levantei, fui até o torniquete, borboleta, catraca, não sei como se chama por aqui, e, tentei descer do ônibus. Foram alguns segundos forçando a tal da catraca que nem movia, olhava pro motorista que fazia a mesma coisa, entretanto com sentimentos distintos: eu, implorava que ele destravasse a borboleta, ele, reprovando minha atitude. Quando, finalmente, um filho de Jesus Cristo me chamou e disse:

- Senhor, a descida do ônibus é pela porta traseira !

Olhei para trás e todos os passageiros estavam me olhando com um leve sorriso nos lábios.
Como bom baiano e resmungando - essas coisas que todo mundo que percebe que fez uma merda faz - saí falando sozinho:

- Na Bahia a saída é pela porta da frente, lugar mais doido esse.

Maó micão, véi...

BAIANO NO CEARÁ - PARTE II



Caros leitores, fui ao shopping esta semana comprar umas bugingangas, e, resolvi parar pra tomar um choppinho num desses Fast Food (que se fast que se...). Tudo estava belezinha, até apertar a dor de fazer o tal do xixi. Me segurei até o limite, paguei a conta e fui procurar o banheiro mais próximo. Incrível, o banheiro dos homens não estava na praça de alimentação. Andei, tinha uma placa, FEMININO, andei mais um pouco, outra placa, FAMILIA. Bom banheiro feminino tudo bem, todos nós sabemos, mas, banheiro família ?! Enfim, fiquei curioso e entrei no destinado à família...uma mistura retada, vixe Maria... famílias inteiras usavam o banheiro, aliás, faziam jus ao nome. Fiquei constrangido com a situação e corri pelo shopping segurando o bilau, que àquelas alturas já estava por fazer sozinho, não fora o MASCULINO logo à frente. No Ceará, sobretudo no Shopping, antes de beber, se for homem, procure primeiro o banheiro masculino.    

CURTAS...


NEM NO NATAL ?!

Uma árvore de Natal gigante próxima à fronteira entre as duas Coreias ameaça iniciar uma nova disputa entre os dois países. A Coreia do Norte advertiu neste domingo o governo da Coreia do Sul sobre "consequências inesperadas" se mantiver acesas as luzes da árvore.

O site estatal norte-coreano Uriminzokkiri afirma que as luzes da árvore equivaleriam a uma forma de guerra psicológica.

No ano passado, os sul-coreanos iluminaram a árvore, de 30 metros de altura e forma de torre, pela primeira vez desde 2003.

A iluminação havia sido suspensa após um acordo de reconciliação para por fim às atividades fronteiriças de propaganda.

Mas as luzes da árvore foram acesas novamente neste mês, e a Coreia do Sul também decidiu permitir que outros grupos cristãos acendam outras duas árvores próximas à fronteira, segundo um funcionário do Ministério da Defesa.

As duas Coreias se mantêm formalmente em guerra desde os anos 1950, quando houve a divisão do país em dois. A Guerra da Coreia terminou em armistício, mas não houve um acordo de paz.

As tensões entre os dois países cresceram no ano passado, após a Coreia do Sul acusar o governo do norte de afundar um navio de guerra e de bombardear uma ilha sul-coreana, matando 50 pessoas.

Fonte: UOL



"Nerd" diz que James Cameron roubou sua ideia para "Avatar"

O diretor James Cameron e sua empresa, a Lightstorm Entertainment, estão sendo processados, de acordo com documentos judiciais obtidos pela "Hollywood Reporter".

O autor do processo, o autoproclamado "nerd" Eric Ryder, já trabalhou com o cineasta e diz que ele roubou a ideia para "Avatar" de um conto de ficção científica escrito por ele em 1999.

O conto, chamado "K.R.Z. 2068", teria diversas semelhanças com o universo do filme campeão de bilheteria.

Na história, já aparecia a ideia da colonização de uma lua distante, com vegetação frondosa e habitada por seres antropomórficos, bem como a introdução de um espião que se envolve emocionalmente com um dos locais e acaba se transformando no líder de uma insurreição contra as práticas destrutivas dos colonizadores.

Eric diz que sua ideia foi rejeitada porque os executivos, na época, disseram que ninguém se interessaria por uma ficção científica com fundo ambiental.

Ele diz que tentou contato diversas vezes com a ex-empresa para receber os créditos pelo trabalho.

Os advogados de ambas as partes não foram encontrados pela revista para comentar o assunto.

Fonte: BOL

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

LANÇAMENTO...



Caros amigos, foi lançado hoje, 16 de novembro de 2011 - em formato E-book - o mais novo livro do meu amigo, o escritor Ricardo Stumpf Alves de Souza, do qual tive a honra criar e desenhar a capa e assinar a contracapa. Para ter acesso ao livro, é só acessar o site www.biblioteca24horas.com. Vale apena conferir, parabéns Ricardo por mais essa conquista.

sábado, 12 de novembro de 2011

HISTÓRIAS DO CEARÁ...


COMPLEXO CULTURAL DRAGÃO DO MAR


Caros leitores, resolvi conhecer um pouco sobre a cultura e história deste estado, Ceará, que estou aprendendo a gostar, sobretudo Fortaleza, onde estou trabalhando, e, comecei pelo Centro Cultural Dragão do Mar. Um local de entretenimento, fantástico, onde a diversidade é a característica maior, e tive uma grande surpresa:

“Dragão do Mar” foi a expressão escolhida pelo o escritor e jornalista Aluísio de Azevedo para homenagear um trabalhador portuário de Fortaleza durante a campanha abolicionista. Seu nome era Francisco José do Nascimento, também conhecido por Chico da Matilde, morador das imediações onde hoje está o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. A área compreendia a Praia do Peixe e a Ladeira da Prainha. Até o final do século XIX, residiam no local pescadores e pequenos agricultores em choupanas, que garantiam sua sobrevivência pelo trabalho na pequena lavoura (roçado), pesca artesanal, coleta de frutos e outras atividades de subsistência. Em sua casa, no início da década de 1880, Francisco José do Nascimento escondeu escravos foragidos.




O nascimento
Francisco José do Nascimento nasceu no dia 15 de abril de 1839, na Praia de Canoa Quebrada, vila do Aracati. Parte de sua infância foi vivida ali, próximo ao antigo Porto das Barcas, às margens do Rio Jaguaribe. Mulato, filho do jangadeiro Manoel do Nascimento e de Maria Matilde da Conceição, o apelido Chico da Matilde surge como referência à figura da mãe. Aos oito anos de idade, foi trabalhar como “menino de recado” a bordo do vapor Tubarão. A atividade surge após a morte de seu pai no Amazonas, quando sua mãe, sem maiores condições, confiou a vida do filho ao Comendador José Raimundo de Carvalho, dono de barcos que atracavam no Porto do Aracati. Vivenciando desde cedo o cotidiano das atividades portuárias, Francisco do Nascimento logo conheceu a realidade do tráfico de escravos.


Libertação

As ações de Francisco José do Nascimento em prol da libertação dos escravos começaram no dia 30 de agosto de 1881, aos 42 anos de idade, quando liderou a paralisação dos condutores de pequenas embarcações na zona portuária de Fortaleza, com a ordem para que nenhum jangadeiro ou trabalhador do mar transportasse escravos entre o molhe (ponte de embarque) e os navios.
Durante o estopim da greve, Francisco José do Nascimento exercia a função de segundo-prático. Na atividade, orientava por meio de sinais os comandantes próximos à costa, evitando que encalhassem ou que colidissem seus navios. Além desse cargo, ele possuía duas jangadas, com as quais cobrava frete para embarcar e desembarcar pessoas e mercadorias entre o molhe de embarque e os vapores. Era também o encarregado das embarcações do Comendador Luís Ribeiro da Cunha, cargo que perdeu como conseqüência por liderar a paralisação. Logo após a demissão, os abolicionistas da “Sociedade Cearense Libertadora” o convidaram para participar da entidade.
Conta o historiador Pedro Alberto de Oliveira Silva que a Sociedade Cearense Libertadora estimulou os trabalhadores portuários de Fortaleza a realizarem as greves dos dias 27, 30 e 31 de janeiro, e do dia 30 de agosto de 1881. A primeira, ocorrida no início daquele ano, foi encabeçada por José Luís Napoleão, negro que comprou a própria alforria. Francisco José do Nascimento não teve envolvimento nessa paralisação.
No entanto, foi durante a sua participação no Congresso Abolicionista, realizado em Maranguape, no dia 26 de maio de 1881, que ele se sensibilizou com a causa pela libertação dos escravos. Semelhante às realidades de Sobral, Quixeramobim, S. Bernardo de Russas e Fortaleza, Maranguape esteve entre as cidades e vilas cearenses com maior número de escravos, em torno de 2.300. Sua economia se afirmava nos engenhos de cana-de-açúcar, somando-se às atividades predominantes na Província do Ceará, baseadas no cultivo do algodão e na pecuária
bovina
Eventos como a Congresso Abolicionista e as greves dos jangadeiros contribuíram para o crescimento da campanha abolicionista na Província do Ceará, com o aumento do número de alforrias entre os anos de 1881 e 1884. A fundação de núcleos abolicionistas em diversas vilas e cidades cearenses contribuiu para esse fim. Em Fortaleza, além da Sociedade Cearense Libertadora (1880), outras agremiações se empenharam no mesmo propósito, como a
“Perseverança e Porvir” (1879), o “Centro Abolicionista” (1883) e o grupo das “ Cearenses Libertadoras” (1884).
Entre seus participantes, as entidades abolicionistas congregaram mulheres, jovens, comerciantes, intelectuais, caixeiros, operários, pequenos agricultores, mestiços, negros libertos, autoridades públicas e outros segmentos sociais dedicados a atividades variadas, com o objetivo comum de libertar os escravos. Entre as ações, destacaram-se a arrecadação de donativos, os bingos, os discursos em praça pública, as quermesses, a facilitação da fuga e a criação de esconderijos para negros fugitivos. O prestígio dos abolicionistas cearenses cresceu a ponto de receberem a visita de José do Patrocínio, um dos líderes do movimento no Rio de Janeiro, em 30 de novembro de 1882. 

Alforria
No dia 1º de janeiro de 1883, na Vila do Acarape, atual município de Redenção, abolicionistas e vereadores da Câmara da localidade alforriaram todos os trabalhadores cativos. A partir desse momento, jornais cearenses da época, como o Libertador, Gazeta do Norte, Cearense, Pedro II e a Constituição, passaram a noticiar ações realizadas dia-a-dia por núcleos antiescravistas espalhados pela capital e interior. Um ano depois, em 25 de março de 1884, o Presidente da Província, Sátiro de Oliveira Dias, e os deputados da Assembléia Provincial do Ceará declararam libertos todos os escravos.
Após a abolição no Ceará, o movimento antiescravista local se prontificou a divulgar o acontecimento. Levar a notícia ao Imperador Pedro II seria um forte apelo em prol do fim da escravidão no Brasil. Para tanto, os abolicionistas cearenses resolveram que a jangada Liberdade de Francisco José do Nascimento seria conduzida até a Corte, no convés do vapor negreiro Espírito Santo. De Fortaleza, partiram rumo ao Rio de Janeiro, chegando ao destino em maio de 1884. Puxada a tração animal pelas ruas da cidade, a jangada Liberdade desfilou sob os aplausos de uma multidão e noticiada pelos jornais cariocas. Sobre ela, Francisco José do Nascimento foi homenageado. Diante da repercussão, o escritor e jornalista Aluísio de Azevedo o reverenciou como Dragão do Mar.

Medalha
Atendendo ao apelo dos cariocas, o Imperador recebeu Francisco José do Nascimento e outros abolicionistas cearenses. A Sociedade Abolicionista os condecorou com a sua medalha. Esses acontecimentos tiveram repercussão pelos jornais do Rio de Janeiro e de outras cidades brasileiras, tendo contribuído para criar a imagem do jangadeiro antiescravista, o herói popular da abolição. A fama do Dragão do Mar correu o Brasil e algumas cidades do mundo durante os quatro anos que separaram a libertação dos escravos no Ceará e o 13 de maio de 1888, quando os escravos se tornaram livres por lei no Brasil.
A luta em prol da abolição da escravatura foi além do que se observou na campanha abolicionista. A formação de quilombos, as fugas, as emboscadas contra os capitães-do-mato, os levante nas senzalas, entre outras práticas, expressavam a vontade dos negros em conquistar a sua liberdade. Quanto à participação de Francisco José do Nascimento, deve se levar em conta o seu desejo e de outras pessoas pertencentes às camadas populares pelo fim da exploração dos cativos. Sua atitude fez a história dos jangadeiros abolicionistas e seu instrumento de resistência: a jangada atracada, sem embarcar escravos.

Abolição
Após a abolição dos cativos no Brasil, os negros libertos ficaram alheios às políticas públicas de inclusão social. Os ex-abolicionistas, ligados às elites, se ocuparam com outros movimentos da época, sobretudo, a implantação da República, proclamada no dia 15 de novembro de 1889. Por seu reconhecimento público, em 1890, Francisco José do Nascimento recebeu a patente de major-ajudante da Guarda Nacional, aparecendo em meio às agitações políticas e sociais de dois momentos no início do regime republicano.
No primeiro deles, ele foi simpático ao levante armado contra o chefe do governo no Ceará, Gal. Clarindo de Queirós, que resistia à sucessão entre os presidentes militares Deodoro da Fonseca e
Floriano Peixoto. Esse movimento teve o apoio de João Cordeiro (ex-abolicionista) e Nogueira Accioly. O incidente levantou suspeita em torno dos ideais de liberdade e justiça defendidos no passado pelo “Dragão do Mar”.
A segunda aparição pública de Francisco Nascimento ocorreu em 03 de janeiro de 1904, quando ele presenciou o Batalhão de Polícia atirar contra seus colegas do porto, os catraieiros, a mando do governador Pedro Borges, ligado à família Accioly. Favorável aos manifestantes, o “Dragão do Mar” condenou o alistamento forçado dos trabalhadores do porto à Marinha de Guerra.
Depois desses acontecimentos, Francisco José do Nascimento foi pouco lembrado. Ele ficou esquecido até o dia 05 de março de 1914, quando morreu. Os últimos momentos da vida do Dragão do Mar foram marcados por enfermidade e privações. Contudo, sua trajetória de vida o tornou um dos símbolos da resistência popular contra as injustiças sociais. A imagem do Dragão do Mar é um dos ícones do Patrimônio Cultural Cearense.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

COMO FICA O POVO ?!



É incrível a relação de domínio e submissão na maioria dos municípios brasileiros, entre Prefeituras e População. Ao invés de prover o desenvolvimento comercial, gerando empregos e uma população independente do funcionalismo público, as Prefeituras mantêm o sistema alienatário e interdependente, capaz de segregar a população, que, criando grupos político-sociais defendem seus próprios interesses em detrimento ao bem comum. Criou-se um ciclo vicioso e uma economia subdesenvolvida. Comerciantes locais são perseguidos, caso não estejam aliados ao grupo eleito, pessoas tornam-se inimigas umas das outras, e, quem ganha com isso é o tal sistema. Grandes exemplos disso são as cidades de São Francisco do Conde e Rio de Contas, Recôncavo e Chapada Diamantina, respectivamente. As pessoas digladiam em praça pública em época de eleição. A simples cogitação de uma pré-candidatura já é assunto discutido nos bares e casas. Decerto que não fazer parte do sistema não quer dizer ser alienado, carola, como diria um amigo. É preciso que a população entenda que a decisão está em suas mãos e isso deve ser usado para o crescimento e desenvolvimento da cidade e de seu povo e não para beneficiar grupos. Vamos acabar com esse comportamento provinciano e lutar pelo bem comum: uni-vos !

TRISTE BAHIA...

Caros leitores, recebi este e-mail do meu tio Júlio César e resolvi publicá-lo em nosso blog:




CARNAVAL DO APARTHEID


"Faturamento de um camarote de carnaval: R$ 14,4 milhões. Taxa que paga à prefeitura: R$10,58. Ser empresário de bloco ou camarote no Carnaval,na Bahia, não tem preço!

Números reveladores do Carnaval da Bahia, foram publicados na Revista da Metrópole desta sexta:

O bloco Camaleão fatura, sozinho, apenas com a venda de abadás, R$ 6,65 milhões.
O Me Abraça fatura R$ 5,4 milhõesdo mesmo jeito, fora patrocínios.
O Corujas fatura 4,94 milhões.

Tudo isso em apenas três dias.
Já os camarotes faturam assim:
O do Reino, R$ 7,2 milhões;
Nana Banana, R$ 6,2 milhões;
Camarote Salvador, R$ 14,4 milhões.
Tudo isso fora os patrocínios.

Mas, por outro lado, sabem quanto um empresário paga de taxa à Prefeitura para montar um camarote no circuito do Carnaval ?
R$ 10,58 de taxa inicial e mais 42,34 por metro quadrado. Uma pechincha. Um achado. Uma oportunidade da China. Ou seja, os empresários não bancam, nem de longe, o custo da festa.
Então, quem banca? O Governo do Estado e a Prefeitura investem R$ 30 milhões para colocar polícia na rua, realizar a limpeza, montar e desmontar toda infra-estrutura, pagarequipes de saúde, etc, etc, etc.

Porém lembrem-se: o dinheiro do Governo do Estado e da Prefeitura sai do nosso bolso.
E considerando que pesquisa divulgada recentemente no A Tarde constatou que 76% da população de Salvador não pula carnaval, e mesmo os 24% que pulam ficam espremidos entre tapumes e cordas de blocos, bancar essa festa imensa com dinheiro público fica mais injusto ainda. Tá na hora dessa conta mudar de mãos: quem fatura com o Carnaval é que tem que bancar a festa.
Eu gostaria muito de saber a opinião dos que criticam o Bolsa Família como uma “esmola que deixa o povo dependente do governo” para saber o que eles acham dessa “superesmola” que dá lucro absurdo a empresas e mais empresas no carnaval, às custas dos investimentos públicos.

Tudo precisa ser mudado.
Quer fazer Carnaval, faça para o povo baiano também!...

Em tempo: a Daniela Mercury ficou revoltada com a Prefeitura porque não atenderam ao seu pedido de elevar a altura dos fios da rede eletrica; segundo ela, o seu novo trio ficou um pouco mais alto o que colocaria sua vida em risco; o custo desse pedido, só no circuito da Barra seria de mais de 3 milhões de reais;
já comprou seu abadá do próximo carnaval? Não? Então corra que está acabando!...


ENQUANTO ISSO!!!...

O hospital Martagão Gesteira declara que a Prefeitura de Salvador há dois meses não recebe uma dívida de R$ 2 milhões e o hospital corre o risco de fechar este mês e 700 crianças ficarão sem tratamento, mas para o carnaval nos bairros da Barra-Ondina foram gastos sem titubear R$ 60 milhões  pelos gestores municipal e estadual.
O carnaval é prioritário, a saúde não!

WELCOME, BIXINHA...



Caros amigos, estou em Fortaleza faz 50 dias, e, no final de semana passado, recebi a visita da minha tia Tenilda Valverde.
Mostrei pra ela as belezas dessa cidade que cada dia me encanta mais.
Fomos à Praia do Futuro, na barraca Crocobeach, passeamos na beira-mar todos os dias e nos divertimos no Complexo Cultural Dragão do Mar.
É incrível como não conhecia minha tia. Aliás, conhecia a tia, mas, a pessoa, o ser humano, seus pensamentos e projetos (são muitos) só conheci, realmente, nesta visita. Nos tornamos grandes amigos e eu passei a entendê-la e admirá-la.
Obrigado por tudo minha amiga Xinha.
Como você costuma dizer:

- Foi show de bola !

Te amo !

CURTAS...



A CASA DOS BUDAS DITOSOS

Caros leitores, no começo do ano que vem, o cineasta Bruno Barreto começará as gravações do longametragem a Casa dos Budas Ditosos, que será protagonizado pela atriz Sônia Braga. A Adaptação da obra de João Ubaldo Ribeiro está sendo feita pelo próprio autor em parceria com o escritor Geraldo Carneiro. É aguardar e conferir !



OS TRÊS MOSQUETEIROS

Meus amigos, fui ao cinema, pela primeira vez, assistir a um filme em 3D. Fiquei muito entusiasmado com esta tecnologia. O filme americano, Os Três Mosqueteiros, ajudou muito, tinha muita ação e cenas explosivas, dando-me a sensação de estar participando diretamente do filme. O longa é mais um desses filmes de ação, com muitos efeitos especiais e muita diversão: em 3D valeu apena assistir !



BANCO DE DADOS

Li na revista ISTOÉ, da semana passada, que o Delegado e Deputado Federal, Fernando Francischini (PSDB-PR), está à frente de uma proposta ousada e polêmica. Ele apresentou um Projeto de Lei que cria um Banco de Dados Nacional sobre Pedófilos. Este Projeto consiste em coletar dados genéticos dos criminosos que abusem sexualmente de menores. Achei a idéia fantástica, assim os criminosos serão identificados e punidos mais rápida e eficaz. Bota a conversa pra frente, Deputado !

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

DIVULGANDO TALENTOS...


Caros leitores, tenho a honra de divulgar o talento de uma menina linda, inteligente e muito criativa. Ela vive em casa montando peças de teatro, danças, músicas e poesias. O nome dela é Maria Luiza Araújo da Silva, a minha princesa. Cada dia me surpreendo mais com o talento da minha pequena. Sou o tio mais orgulhoso do mundo: Parabéns Maria ! Segue sua poesia (original):



Poesia de Titio


Você marcou a minha historia,

Você viveu na minha vida, e eu te amo D+, titio, titio

Você é o melhor tio do mundo, e não existe outro igual, quando você está longe, me mata de saudade.

Você é legal,
 
Você é genial,

Você é o melhor tio do mundo



Maria Luiza

INTERNET...

Caros leitores, acompanho blogs pelo Brasil afora. O texto do jornalista Gustavo Alves me chamou atenção, em seu blog de mesmo nome, e, resolvi transcrevê-lo:




Quem tem medo da Internet...


No que restou desta semana com feriado no meio, o Comitê Gestor da Internet reuniu em SP o I Forum da Internet. Um evento que passou despercebido pela grande mídia e também pelos movimentos sociais.
Despercebido pela mídia não traz nenhuma surpresa, pois eles não tem nenhum interesse em divulgar um meio que vem "comendo" sua audiência e circulação ano a ano.
Mas a falta de interesse dos movimentos sociais é um erro grave de avaliação. Vivemos uma mudança na nossa sociedade, mas muitos de nós não percebem a profundidade, complexidade e as contradições trazidas por esta mudança.
O capitalismo vem mudando suas formas de apropriação. Marx já descrevia a apropriação do trabalho imaterial, mas o trabalho em rede, a criação coletiva e a inovação potencializada pelos novos meios trouxeram um novo componente ao debate sobre o imaterial, na medida em que o fruto deste trabalho também tem valor e é apropriado pelo capital.
Some-se a isso, as novas formas de expressao e associação possibilitadas pelas redes sociais, que quebraram a verticalidade e a unidirecionalidade nas comunicações e também nas relações políticas, como apontam movimentos como a Primavera Árabe e o Ocupar Wall Street.
Vivemos uma transição de um mundo unidirecional e vertical para um mundo colaborativo, horizontal e multidirecional.
O capital já percebeu esta mudança e está nadando de braçada, construindo novas formas de acumulação e usando as redes para atacar regimes independentes ou que não se submetam aos seus desígnios.
Setores importantes da sociedade já se organizam nas redes para quase tudo, inclusive em grupos de interesse e pressão.
É inadmissível que alguns quadros dos partidos de esquerda fiquem à parte deste processo, na esperança "secreta" de que nada aconteça e que o mundo ainda caiba nos velhos manuais.
É preciso coragem e disposição para atuar neste novo quadro. Não podemos aceitar este neo-ludismo, que nega a internet e nem nos deixar levar pelo delírio tecno-utópico que acredita que tudo será resolvido pelas redes sociais.
Vivemos um novo momento, com todos os problemas e contradições, que deve ser encarado de frente. 


Por
Gustavo Alves

CURTAS...



O HOMEM DO FUTURO

Ontem fui ao cinema assistir ao filme O Homem do Futuro. Um excelente longa, cujo tema, apesar de já ter sido mostrado diversas vezes, é muito interessante, sobretudo, sob um prisma brasileiro. Mais de um milhão de pessoas já foram aos cinemas assistir. O Homem do Futuro é uma mistura do De Volta Para o Futuro, uma trilogia fantástica do Robert Zemeckis e Efeito Borboleta, onde toda vez que o passado é modificado, as conseqüências no futuro são catastróficas e muito engraçadas.
O filme tem atuações muito boas da Alinne Moraes, Maria Luisa Mendonça (ótima), Gabriel Braga Nunes e Fernando Ceylão. Mais uma vez o excelente Wagner Moura deu um show (nem lembrei do Capitão Nascimento !). É imperdível !


ODE AO REI...


Caros leitores, o Rei, Roberto Carlos estará se apresentando no Teatro Castro Alves no dia 18 de novembro, e, os ingressos começam a ser vendidos no dia 29 de outubro. Mais uma vez, o preço é muito salgado: R$ 800 (inteira - filas A a P), R$ 600 (inteira - filas Q a Z) e R$ 400 (nteira - Filas Z1 a Z11). Ainda vale a pena conferir !

DIA DAS CRIANÇAS...







O Dia das Crianças no Brasil foi "inventado" por um político. O deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de criar um dia em homenagem às crianças na década de 1920.

Na década de 1920, o deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de "criar" o dia das crianças. Os deputados aprovaram e o dia 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.

Mas somente em 1960, quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a "Semana do Bebê Robusto" e aumentar suas vendas, é que a data passou a ser comemorada. A estratégia deu certo, pois desde então o dia das Crianças é comemorado com muitos presentes!

Logo depois, outras empresas decidiram criar a Semana da Criança, para aumentar as vendas. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e fizeram ressurgir o antigo decreto.
A partir daí, o dia 12 de outubro se tornou uma data importante para o setor de brinquedos.

Em outros países

Alguns países comemoram o dia das Crianças em datas diferentes do Brasil. Na Índia, por exemplo, a data é comemorada em 15 de novembro. Em Portugal e Moçambique, a comemoração acontece no dia 1º de junho. Em 5 de maio, é a vez das crianças da China e do Japão comemorarem!




Dia Universal da Criança

Muitos países comemoram o dia das Crianças em 20 de novembro, já que a ONU (Organização das Nações Unidas) reconhece esse dia como o dia Universal das Crianças, pois nessa data também é comemorada a aprovação da Declaração dos Direitos das Crianças. Entre outras coisas, esta Declaração estabelece que toda criança deve ter proteção e cuidados especiais antes e depois do nascimento.

domingo, 9 de outubro de 2011

FAXINA... continuação



 
Estava desvendado o mistério: ele tinha um pai !

Mas o menino, agora, estava morto...

Sepultado.

Nascera o homem.

Que exorcizara de vez, fazendo sua faxina, este passado.

Valorizava agora os seus diletos, que da maneira deles, substituira e suprira a inquietação daquele menino.

Um homem, libérrimo, resolvera viver, não havia mais o que buscar, e, estava sedento por conquista !

Contudo, o legado deixado pelo menino tinha um preço, e veio lhe cobrar...

O homem estava preso ao comportamento daquele menino, que em sua busca, se mostrara frágil, talvez incapaz aos olhos de outrem.

Mas a mudança chegou...

E o homem que deixara de ser menino, grita por liberdade...

É, o menino estava realmente morto, e com ele o seu passado...

O homem estava livre, e não sofrera mais...

O cordão umbilical fora cortado.

A mudança era inelutável.

Agora o homem quer viver sua vida como sempre sonhara.

E este caminho não terá mais volta !

PAPO DE ARQUIBANCADA (DE CINEMA TAMBÉM !)



Caros leitores, a torcida do Bahêa Minha P... (censurado), não para de me surpreender: campeã das arquibancadas, agora, também, das salas de cinema. Este final de semana foi a estréia do longa, “Bahêa Minha Vida” nas telonas, sendo recorde de público entre os lançamentos em todo Brasil. Parabéns torcida tricolor. Tomara que seus dirigentes abram os olhos, valorizem a jóia que tem nas mãos e montem um time digno da grandiosidade da sua torcida.

DIVULGANDO TALENTOS..

Caros leitores, descobri Iana Carolina, uma poetisa de Itabuna, em seu blog Agramaticando a Vida por Inteiro, indicado pela não menos talentosa Genny Xavier, quem divulguei na última postagem.



Tirar a atadura,
Atirar pelo vento.
Ferida ao vento; peito.
Crepúsculo no pulso do vento...
...é com o vento que se cura todo medo.
Impossível aprisionar prisioneiro rebelde
Arquiteto de fugas, impossível enganá-lo.
Quem pensa que engana, pensa
Porque é isso que pensa quem se engana


Iana Carolina

CURTAS...



A CASA DOS BUDAS DITOSOS

Caros leitores, fui presenteado com a leitura da Casa dos Budas Ditosos, de João Ubaldo Ribeiro. Ainda não havia lido livros deste autor, apenas o acompanhava em sua coluna dominical num jornal de Salvador. Ubaldo afirma transcrever o depoimento, autorizado, de uma mulher de 68 anos, nascida na Bahia e residente no Rio de Janeiro, deixado na portaria do edifício onde trabalha. Eu não acreditei, claro !
O livro narra de forma impressionante, sem qualquer ablepsia ou amarras religiosas, todas as aventuras sexuais vividas pela Sra. CLB - ela se apresentara apenas com suas iniciais – durante sua vida na Bahia e no Rio de Janeiro. É um livro absolutamente despudorado, sem rodeios, sobre um dos pecado capitais, a Luxúria. Falo porque sou de família católica, onde o sexo é visto como algo quase precito. A Casa dos Budas Ditosos é muito divertido, sua linguagem é muito direta e sem barreiras, pra mim, inefável ! Não deixem de ler, é imperdível !




CAPITÃES DA AREIA

Ontem fui ao cinema conferir o filme Capitães da Areia, da Cecília Amado, neta do escritor Jorge Amado. Baseado no livro do mesmo nome, o filme, com trilha sonora assinada por Carlinhos Brown, não chega nem perto da obra de Jorge. Aliás, pra fazer justiça, não conheço um filme que tenha superado o livro no qual fora inspirado. A idéia de Cecília em colocar atores amadores mostrou sua intenção em homenagear seu avô, no ano do seu centenário, sem pretensões mercadológicas: poesia. É um filme razoável e um pouco cansativo, sem o mesmo sucesso de outros longas que mostram a ginga e o dialeto baianos. Quem curte a obra de Jorge Amado vai assistir.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

EM FORTALEZA, ÓIA !



Caros leitores, amanhã, dia 04 de outubro, faz quinze dias que estou em Fortaleza. Fui enviado pela diretoria da empresa onde trabalho para organizar toda a nossa estrutura operacional, nesta cidade, após vencermos uma licitação de grande porte. Logo na saída de Salvador, fui informado que ficaria hospedado num apartamento que a empresa havia alugado para outros funcionários que trabalham num grande obra, aqui também, na Praia do Futuro. Como já conhecia a praia, fiquei muito empolgado com a idéia. Ledo engano ! A Praia do Futuro, de fato, é belíssima. Sua estrutura é fantástica. Suas barracas são imensas, com toda estrutura possível e inimaginável também. A Crocobeach é uma barraca gigantesca, tem restaurante a kilo, massoterapeutas, duas piscinas com toboágua, palco para shows e etc. Enfim, tudo de bom. Entretanto, para que eu chegue até o nosso cliente, diariamente, é um tanto quanto penoso. Saio cedo, pego um ônibus para a estação de integração chamada Papicu (Papiquíves), rodo uns quarenta minutos até chegar. Em Papiquíves, aguardo numa fila organizada – até a chegada do ônibus, claro ! Depois vira um salve-se quem puder – outro ônibus para outra estação de integração, essa um pouco mais longe, chamada Parangaba. Chegando em Parangaba, pego o ônibus que vai para Passaré... Ufa ! Depois de quase duas horas de viagem, chego ao meu destino.
Fortaleza é uma cidade muito parecida com Salvador, contudo, sua orla, muito bem cuidada, nos dá inveja e até revolta pelo descaso dos governantes baianos com as nossas praias.
A capital Cearense tem muitos problemas de trânsito – é um sufoco a hora do rush por aqui – com engarrafamentos enormes e estressantes, mas, sem a poluição sonora causada pela falta de educação dos condutores baianos. Os Cearenses são muito mais pacientes e mais educados no trânsito, todavia, o lixo no centro da cidade me fez lembrar minha terra, infelizmente para ambas. Apesar de serem cidades afins, o que difere realmente as duas é o comportamento paciente, de fala mansa, dos moradores de Fortaleza. Descobri que somos extremamente estressados e pouco corteses.
Não sei quanto tempo ainda fiarei nesta terra ensolarada, espero que demore um pouco, quero conhecer um pouco mais dela e identificar mais semelhanças. Aproveitar e fazer inveja aos meus amigos Moisa (Ferramenta), Max (meu cumpade), Moisés (O velhinho) e Elton (O Primo)... afinal, comer peixe ensopado, com um pirãozinho e arroz branco é tudo de bom, companheiros. Fazer o que né !? Rsrsrsrsrsrsrsrsr

Abraços mís,
Direto de Fortaleza / Ce.